O Paradoxo do Crescimento Sustentável

“O capitalismo é, por natureza, uma forma de mudança econômica que
não somente nunca foi, como nunca poderá ser, estacionária”

Joseph A. Schumpeter, 1942

“Quando nossas células crescem continuamente, elas consomem desenfreadamente os recursos necessários para sua própria reprodução, as células sadias. Desregulando completamente o equilíbrio do sistema biológico, nos levam, juntamente consigo mesmas, à morte. Consequentemente, lutamos com todas as forças para freá-las. Atribuímos uma conotação negativa ao fenômeno. “Câncer” torna-se sinônimo de coisa ruim, caracterizado como uma das maiores mazelas da humanidade ainda sem cura na medicina.

Por outro lado, quando nossas empresas crescem continuamente, vislumbramos a bonança. Associamos ao fenômeno maior disponibilidade de emprego, desenvolvimento social representado por uma melhor qualidade de vida. Acreditamos que a miséria deixará de existir para todos, que todos poderemos viver mais e melhor, usufruindo maior dignidade.

Contraditoriamente relacionamos a estabilidade à saúde do organismo e à saúde econômica o crescimento contínuo. Resumidamente, admiramos o câncer econômico.” […]

Gostou? Então leia mais na íntegra da minha coluna na revista Mundo Logística deste mês que tem como foco lean management na gestão da cadeia de suprimentos.

3 responses to “O Paradoxo do Crescimento Sustentável

  1. Li seu artigo na Revista Mundo Logística e me senti realizada ao ver descrito de forma tão clara, concisa e fiel o meu pensamento. Faço minhas as suas palavras e ainda tomo a liberdade de citar seu artigo em meu blog (http://apiolho.blogspot.com) em minha próxima postagem, complementando com uma visão ampliada aos impecíliios impostos pelo setor político (leia-se corrupção) conforme artigo publicado na revista Ulisses Guimarães, também sobre o tema sustentabilidade. Parabéns!

  2. Olá Scilla,
    obrigado, que bom que você gostou do testo! Pois é, infelizmente tendemos, como sociedade, a tapar o sol com a peneira. Todavia, o planeta está cobrando seu preço. O poder público tem, e também o mercado hoje ainda bastante informal de reciclagem, como você ressalta no seu blog, um papel fundamental, mas ainda insuficiente nesse processo. Temos que continuar trabalhando nesse sentido, e muito!! Catando esses piolhos! 🙂

    Um abraço, Donald.

    1. Grata pela sua gentil resposta e principalmente pela expressão “precisamos continuar catando esses piolhos”. Muito bem colocada e de forma bem humorada. Estamos,como havia afirmado antes, na mesma luta. E continuarei. Se acham que uma piolho não incomoda, imagina milhares deles coçando na cabeça desses ” cabeças duras”, Pelo sua ajuda para juntos formarmos uma infestação de piolhos na cabeça deles.
      Parabéns pelo blog e peço desculpas se o meu tem sido redigido às pressas, mas estou de cama, prestes a sofrer uma intervenção cirúrgica urgente.

Deixe uma resposta