Motivação:

O comércio eletrônico têm exercido pressão avassaladora sobre as margens do varejo tradicional. O poder da informação na palma da mão do consumidor, bem como a comodidade da compra à distância esvazia lojas de todos os setores da economia. Surgem assim diferentes questões estratégicas de longo prazo. Como será a loja do futuro? Existirão ainda lojas? Qual será o papel destas?

No curto- e no médio-prazos, contudo, o foco se volta à operação. A concorrência desigual do comércio eletrônico com o domínio da informação exige do varejo tradicional adotar técnicas antes só possíveis no mundo digital. Exemplo são a crescente individualização da proposta de valor, do preço, da promoção no ponto de venda. Se, por um lado, esta necessidade é urgente para se manter o consumidor, por outro ela traz complexidades para a cadeia de suprimentos que podem aumentar consideravelmente o custo de operação. Com isso, varejistas sentem-se obrigado a, ao mesmo tempo que aumentam a complexidade, reduzir seus custos com a otimização da sua operação.

Neste contexto surge o espaço para a pesquisa e a adaptação de métodos nascidos e desenvolvidos no meio digital para o varejo tradicional.

Objetivos:

  • Entender e projetar o varejo do futuro;
  • Desenvolver métodos capazes de aumentar a individualização do ponto de venda, juntamente com sua eficiência operacional;
  • Utilizar ciência de dados e inteligência artificial na criação de produtos capazes de suportar a evolução do varejo tradicional.